quinta-feira, 9 de janeiro de 2014


Ofertas de riquezas materiais

PUBLICADO EM PARA MEDITAR

ofertaO que pode levar um cristão a não ofertar ao Senhor, seria o fato de não ter o que ofertar ou há outros motivos não revelados? Os santos das igrejas da região da Macedônia, além de passar por provas e sofrimentos ainda careciam de bens materiais para ofertar. A situação desses irmãos era mais que perfeita para eximir-se do ato de ofertar. Eles não precisavam negar, mentir ou apresentar prioridades pessoais que ainda não tinham sido atendidas para desculpar-se. Era evidente que financeiramente não podiam fazer muito para cooperar com os irmãos que estavam com necessidades.
Mas quando se tem graça tudo muda. Quando Deus se dispensa a nós como vida e tudo para nós, não temos medo de dar o que restou, pois reconhecemos Nele a fonte de tudo que compõe esse universo material. O Senhor já nos deu tanto – Ele deu-nos a salvação, saúde e tudo mais. Ele nos enriqueceu, em tudo, para toda a generosidade. Ser generoso significa que você não retém nada, mas dar com espontaneidade, suavidade e graça, aquilo que Ele deu.
É a graça de Deus que provoca uma pessoa, mesmo tendo profunda pobreza, ter um coração de ofertar. É a graça de Deus que gera um coração obsequioso e voluntário. Toda vez que Deus vem a nós como graça nosso coração se dispõe a ofertar.  Quando o Senhor Jesus apareceu entre os homens cheio de graça, Sua atitude foi entregar-se, foi ofertar-se completamente. O Senhor Jesus não guardou nada para Si. Ela não podia dar mais do que deu, pois deu tudo – deu a vida.
As ofertas são importantes porque elas cooperam para o avanço do evangelho. Um irmão falando em uma reunião da igreja disse a audiência: “O gazofilácio, decididamente, é nosso eletrocardiograma porque ele expõe a condição do nosso coração como nenhuma outra coisa pode fazer”. Há um texto bíblico que diz: “Aconteceu, depois disto, que andava Jesus de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do reino de Deus, e os doze iam com ele, e também algumas mulheres que haviam sido curadas: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios; e Joana, mulher de cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus bens”(Lucas 8:1-3). Ofertamos toda vez que nos lembramos o que o Senhor fez por nós. Ele nos curou de nossa enfermidade espiritual. Depois do dia em que foram curadas elas deixaram de canalizar seus bens para o mundo para aplicar no reino de Deus. Não há dinheiro mais bem empregado do que aquele que é colocado na obra de expansão do Evangelho. Seria bom refletirmos um pouco para sabermos o que estamos fazendo com nossos bens. Estamos expandindo o evangelho, edificando o reino do Senhor ou estamos expandindo o comercio humano e edificando este mundo com nossos bens? Vale à pena refletirmos acerca de como anda nosso coração. Um coração enfermo é aquele é generoso e voluntário para contribuir, não para o Senhor, mas para a sustentação desse mundo tenebroso.
Rogamos ao Senhor que continue falando mais ao seu coração acerca dessas coisas. Amém!
Texto extraído do Jornal Árvore da Vida número 181 - Publicado pela Editora Árvore da Vida

Nenhum comentário:

Postar um comentário