sábado, 14 de julho de 2012


O óleo da unção

Acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de equidade é o cetro do seu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros (Hb 1:8-9)
Êx 30:23-25; Mt 26:26; 27:51; Hb 9:6-8; 10:19-20
Vimos que, logo após ser batizado, o Senhor Jesus foi ungido, o Espírito Santo desceu sobre Ele, incumbindo-O de cumprir Seu ministério. Vimos também que essa unção do Espírito é representada pelo óleo da unção do Antigo Testamento.
Êxodo 30 mostra a composição desse óleo da unção. “Tu, pois, toma das mais excelentes especiarias: de mirra fluida quinhentos siclos, de cinamomo odoroso a metade, a saber, duzentos e cinquenta siclos, e de cálamo aromático duzentos e cinquenta siclos, e de cássia quinhentos siclos, segundo o siclo do santuário, e de azeite de oliveira um him. Disto farás o óleo sagrado para a unção” (Êx 30:23-25). Em um him de azeite seriam acrescentadas quatro especiarias: mirra, cinamomo odoroso, cálamo aromático e cássia. Essas quatro especiarias representam a obra do Senhor Jesus.
Na antiguidade, quando as pessoas morriam, elas eram ungidas com mirra. Isso representa a morte do Senhor Jesus. Cinamomo odoroso refere-se à eficácia da morte de Cristo. O cálamo é um junco que nasce no meio das águas pantanosas. Essa especiaria representa a ressurreição do Senhor, pois Ele é Aquele que surgiu do meio das águas de morte. Por fim, a cássia diz respeito à eficácia da ressurreição de Cristo.
Essas quatro especiarias se apresentavam em três medidas de quinhentos siclos. A primeira especiaria, a mirra fluida, e a quarta, a cássia, tinham quinhentos siclos cada. A segunda, o cinamomo odoroso, e a terceira, o cálamo aromático, duzentos e cinquenta siclos cada uma. Somando-se as medidas dessas duas especiarias tem-se a terceira medida de quinhentos siclos. No óleo da unção temos quatro especiarias em três medidas iguais.
O número quatro representa a criação, o homem. O número três refere-se ao Deus Triúno: Pai, Filho e Espírito. A primeira e a última unidade de quinhentos siclos estão relacionadas, respectivamente, ao Pai e ao Espírito. A segunda e a terceira unidade de duzentos e cinquenta relacionam-se ao Filho, que foi partido por nós (Mt 26:26).
Quando o Senhor Jesus morreu, “eis que o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo” (27:51). O véu estava pendurado em quatro colunas. Estas formavam três entradas. Quando o véu se rasgou, abriu-se uma entrada que não foi a primeira, o Pai, nem a terceira, o Espírito, mas a segunda, que representa o Filho. A entrada do meio se abriu para formar um caminho. Antes, apenas o sumo sacerdote, uma vez por ano, entrava no Santo dos Santos (Hb 9:6-8). Mas agora o Senhor Jesus morreu por nós, o véu se rasgou. Aleluia! O Senhor nos abriu um novo e vivo caminho, podemos entrar no Santo dos Santos com intrepidez (10:19-20).
Isso pode ser visto nas medidas do óleo da unção. Temos quatro especiarias, que representam a obra de Cristo em Sua humanidade, em três medidas de quinhentos siclos, que simbolizam a natureza divina do Deus Triúno. As duas medidas de duzentos e cinquenta siclos indicam que o Filho, representado pela medida intermediária de quinhentos siclos, foi partido, assim como o véu do santuário se rasgou em duas partes.
Quando somados, três mais quatro, temos sete, que se refere a um número completo. Além disso, as quatro especiarias, em três medidas de quinhentos siclos, eram mescladas a um him de azeite, formando um unguento composto. Isso mostra que no óleo da unção temos a natureza divina do Deus Triúno – Pai, Filho e Espírito Santo – acrescida da natureza humana, incluindo a obra de Cristo em Sua humanidade, Sua morte e ressurreição.
O óleo da unção, com o qual os sacerdotes foram ungidos para que realizassem a incumbência determinada por Deus, é do Antigo Testamento, mas representa o Espírito, a unção com que fomos ungidos para cumprir a comissão de Deus no Novo Testamento. Aleluia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário