domingo, 10 de junho de 2012


Viver o evangelho do reino

Por dois anos, permaneceu Paulo na sua própria casa, que alugara, onde recebia todos que o procuravam, pregando o reino de Deus, e, com toda a intrepidez, sem impedimento algum, ensinava as coisas referentes ao Senhor Jesus Cristo (At 28:30-31)
Mt 3:17; 4:17, 23; 6:9-10, 33; 7:21; 9:35; 11:12; 13:11; 21:43; 25:1
O primeiro livro do Novo Testamento, embora apresente a revelação da igreja, mostra que o foco de Deus é o Seu reino (Mt 3:17; 4:17, 23; 6:9-10, 33; 7:21; 9:35; 11:12; 13:11; 21:43; 25:1). O Senhor deseja voltar e estabelecer Seu reino na terra. Por isso Ele deu à igreja as chaves do reino e nos incumbiu de pregar o evangelho do reino em todo lugar (Mt 16:19; 24:14). Mas para isso é preciso ir até onde as pessoas estão.
Aleluia! Isso é que temos praticado. O viver da igreja não pode se restringir a um salão de reuniões nas cidades, a um lugar fixo para a concentração de pessoas. Para vencer essa limitação e levar vida para o maior número de pessoas em nossa cidade, o Senhor nos deu duas ferramentas: o bookafé e a colportagem.
O bookafé é um espaço, um ambiente informal, preparado para receber as pessoas. Ali qualquer pessoa pode entrar, tomar um café e, ao mesmo tempo, ser conduzido à Fé por meio dos livros espirituais expostos e disponíveis para leitura ou aquisição. No bookafé também há um lugar de oração para conversarmos com as pessoas, apresentar seus
pedidos a Deus, ajudá-las a invocar o nome do Senhor e ganhar a salvação. Nossa meta é que haja pelo menos um bookafé em cada bairro. Se em cada bairro houver um bookafé, com colportores dando apoio, muitas casas serão abertas e muitos filhos de Deus serão despertados a crescer na vida divina para reinar com o Senhor.
No livro de Atos vemos que muitas igrejas começaram sem haver sequer um local de reuniões, ou templo. Na igreja em Filipos, por exemplo, o que vemos é um lugar de oração junto ao rio, a partir do qual a casa de Lídia foi aberta para os irmãos. Depois o carcereiro se converteu e abriu sua casa para reuniões (cf. At 16:13, 15, 32-33, 40). Provavelmente até mesmo os prisioneiros que ouviram Paulo e Silas cantar e dar louvores a Deus, e que viram o terremoto e as cadeias se romperem, mas que não saíram dali, devem ter se convertido e, depois de serem libertos, abriram suas casas. Essa era a igreja em Filipos.
Além do bookafé, temos os colportores, que são aperfeiçoados nos CEAPEs (Centro de Aperfeiçoamento para Propagação do Evangelho). Colportor não é aquele que vende os livros para sustentar-se. Podemos dizer que quem pensa assim tem um pensamento caído, degradado. Aos olhos de Deus, o colportor é um sumo sacerdote, que deve suprir Urim e Tumim, isto é, a Palavra revelada, às pessoas.
Um colportor supre a Palavra revelada de Deus às pessoas, por meio dos livros, e dessa maneira as ajuda a conhecer a vontade do Senhor. O trabalho deles é o trabalho de um sumo sacerdote. Além disso, seu objetivo não é apenas passar o livro para elas, mas ajudálas a compreender o que estão lendo, visitando-as e até mesmo lendo os livros com elas. Em seguida, visitará seus vizinhos, ou seus amigos, e logo haverá ali, naquele bairro, um grupo de pessoas se reunindo. Nesse momento, portanto, o colportor atuou como um apóstolo.
Também temos visto que é necessário pregar o evangelho do reino em outros continentes para apressar a volta do Senhor. Graças ao Senhor já entramos na Europa. Também o Senhor já abriu a obra na África. No México, assim como em outros lugares, a obra está se expandindo. Para a obra na Europa, por exemplo, pelo fato de se falarem outras línguas além do português e do espanhol, surgiu a necessidade de termos o Projeto Línguas e Nações, em Goiânia, que é um CEAPE com ênfase no ensino de línguas, principalmente o inglês e o francês, com vistas a equipar os irmãos que têm encargo de servir em outros países e habilitá-los a comunicar-se bem nesses lugares.
Mas ainda faltava, entre os países que têm aceitação ao evangelho, a América do Norte. Então, este ano o presidente norte-americano facilitou a concessão de vistos para cidadãos do Brasil e da China e deu-lhes as boas-vindas para quem quiser entrar nos Estados Unidos. Isso foi um sinal para nós de que o Senhor está nos dando a oportunidade de ter um novo início naquele continente. O Senhor tem pressa de voltar e estabelecer Seu reino na terra e por isso tem aberto diversas portas para isto.
“E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim” (Mt 24:14). Vemos que nossa incumbência é pregar o evangelho do reino por toda a terra habitada. É esse viver da igreja que o Senhor quer que vivamos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário