segunda-feira, 4 de junho de 2012


O viver prático da igreja

Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão e casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos (At 2:46-47)
Gn 4:26; Jo 7:38-39; 14:16-17; At 2:21; Rm 10:12; 1 Co 12:3
Depois que o homem perdeu a presença de Deus ao ser expulso do jardim do Éden (Gn 3:23), logo percebeu que não podia suportar sozinho a condição em que estava, porque precisava de Deus. Foi quando se começou a invocar o nome do SENHOR (4:26), como reconhecimento de que o homem não consegue viver longe de Deus. É como se o homem tivesse orado: "SENHOR, eu preciso de Ti para o meu sustento. Ó Deus Jeová, sem Ti não tenho alegria, não tenho paz. Ó SENHOR, sem Ti não tenho proteção! Eu preciso de Ti". Louvado seja o Senhor, Ele ouviu seu clamor e oração e trouxe-lhes a salvação.
No Novo Testamento, logo no início da vida da igreja, vemos a prática de invocar o nome do Senhor. O livro de Atos nos mostra que a igreja em Jerusalém começou por meio da pregação de Pedro (2:14-36). Sua palavra fez os presentes lembrarem o que o profeta Joel havia dito sobre o que aconteceria nos últimos dias. A profecia incluía muitas coisas, mas, se eles quisessem ser salvos, precisariam invocar o nome do Senhor Jesus (v. 21). Graças ao Senhor, naquele dia três mil pessoas foram salvas e batizadas e, a partir de então, passaram a viver a vida da igreja em Jerusalém.
Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum, "diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos" (vs. 46-47). A prática de invocar o nome do Senhor era tão normal no viver deles que, a partir de um determinado momento, começaram a ser perseguidos por causa disso (7:58-59; 8:1-3). O apóstolo Paulo, que antes era o maior perseguidor dos que invocavam o nome do Senhor, tornou-se o apóstolo que mais promoveu essa prática no Novo Testamento (9:14, 21; 22:16; Rm 10:13; 1 Co 1:2; 12:3; 2 Tm 2:22).
Igualmente a obra do Senhor entre nós no Brasil iniciou-se pelo invocar Seu nome. Desde aquele tempo, temos invocado o nome do Senhor e, por meio dessa prática, recebido muita ajuda e revelação.
Quando invocamos o nome do Senhor, nós estamos no Espírito (1 Co 12:3). Esse Espírito não é somente o Espírito Santo, mas é chamado pelo Senhor Jesus dessa maneira especial: "o Espírito" (Jo 7:38-39), pois Nele está incluído o Pai, o Filho e até o próprio Espírito Santo, assim como toda obra realizada pelo Senhor Jesus. Na Bíblia Ele também é chamado de o Espírito da realidade (14:16-17). Ele é o Espírito da realidade porque tudo o que Deus é se torna real para nós por meio Dele. Tudo o que o Senhor Jesus realizou e alcançou por Seu viver humano, morte e ressurreição se torna real para nós por meio de o Espírito. Assim, tudo o que precisamos se encontra em o Espírito. Basta invocarmos o nome do Senhor e desfrutamos das riquezas de Deus contidas no Espírito (Rm 10:12). Quando invocamos o nome do Senhor, tocamos nesse Espírito e ganhamos vida (Jo 20:31) !
Para termos a realidade da vida da igreja, além de invocarmos o nome do Senhor para estarmos no Espírito, ainda precisamos combater um impedimento dentro de nós: nossa vida natural, a vida da alma, nosso ego caído. Para que o Espírito se acrescente mais a nós precisamos perder nossa vida natural, com suas opiniões e justificativas. Se negarmos a nós mesmos, aplicando a cruz ao nosso ego, não teremos dificuldades em seguir o Senhor Jesus, e nossa vida da igreja será maravilhosa (Mt 16:24-26).

Nenhum comentário:

Postar um comentário